Arteterapia com enfoque gestáltico
Arte
e
Terapia
FullSizeRender.jpg

Arte: Augusta Atla

gestalt-logo.png

A expressão artística revela a interioridade do homem, fala do modo de ser e da visão de cada um e seu mundo.

 

Na arteterapia gestáltica, utilizam-se experimentos através de recursos artísticos e imagéticos, que geralmente envolvem o fazer artístico, ajudando a intensificação do contato do indivíduo consigo mesmo, com os outros e com o mundo.

Por intermédio desse fazer arte e expressar-se, o terapeuta pode estabelecer um contato com o cliente, possibilitando a este último o autoconhecimento, a resolução de conflitos pessoais e de relacionamento e o desenvolvimento geral da personalidade.

 

O arte-terapeuta gestáltico não pode interpretar os trabalhos de seus clientes, pois a gestalt-terapia acredita que o cliente é responsável por sua saúde e seu processo de crescimento, e que seus trabalhos e criações possuem sentidos relevantes e significados particulares para quem os produziu.

 

Assim, o terapeuta exerce a função de facilitar e acompanhar a busca do cliente, sugerindo experimentos que contribuam para ajudá-lo a entrar em contato com suas realidades interiores e, dessa forma, descobrir significados novos.

 

A vivência do ato criativo promove a descoberta de sentimentos e de qualidades pessoais, ajudando no desenvolvimento do potencial peculiar de cada indivíduo, que nos vários tipos de arte, como o desenho, pintura, escultura, teatro/representação, poesia, etc., pode se reconhecer, pode se ver e também se rever, vendo-se de uma nova forma ao visualizar possibilidades que até então eram ignoradas.

O ato criativo é uma necessidade do ser humano, e a essência do processo criativo é a mudança. A terapia é um processo de transformação, e a arte viabiliza a necessidade de aprofundar e ampliar o nosso psiquismo. As duas juntas potencializam a percepção, a consciência e a criação do novo.

 

 

Arte e Zen

"Nenhuma linha que você desenhe necessita ser perfeita. Pelo contrário, você deve continuar desenhando linhas desajeitadas. Com certeza, aos poucos, você vai aprimorar suas linhas, e seria ilusório achar que vai ficar experiente de repente. Assim, mesmo que a linha seja imperfeita ou não pareça bem, o ato de desenhar uma linha é completo. Independente da aparência do produto, nós nos tornamos livres do sofrimento de ter que realizar ou criar algo perfeito.

Se a vida é ter um objetivo, assim que ele é alcançado, outro objetivo aparece. Na maior parte do tempo, nós ficamos ansiosos por cumprir objetivos. No entanto, se começarmos a aproveitar cada passo do caminho, ele se torna um objetivo. Assim, nós podemos melhorar bastante o estado de relaxamento e a profundidade da nossa vida".

Kazuaki Tanahashi Sensei